Sargento Tânia Guerreiro usa Tribuna Livre da Cãmara de Colombo para falar sobre Pedofilia

Sargento Tânia Guerreiro usa Tribuna Livre da Cãmara de Colombo para falar sobre Pedofilia

- in Notícia
68
0
17.04.19     09.30h
Na pauta da Ordem do Dia foram analisadas pelos vereadores 19 indicações e aprovado um projeto de lei do Legislativo em segunda votação. Na Tribuna Livre, a sargento Tânia Guerreiro, única policial capacitada no Brasil em pedofilia, falou sobre esse tema. Através de suas palestras, ela tem desenvolvido um importante trabalho no combate à pedofilia buscando levar o conhecimento e a orientação para todos

“O que me assusta não é a violência de poucos, mas o silêncio de muitos”, destacou a sargento.

Atendendo ao convite feito vereador Gilgera (PSDB), a sargento Tânia Guerreiro utilizou o espaço destinado à Tribuna Livre para falar a respeito da pedofilia. O foco de sua explanação foi a conscientização de que a pedofilia é um problema de todos. Iniciando a sua apresentação, a sargento abordou as maneiras de agir do pedófilo, suas preferências e oportunidades e dados estatísticos. “O pedófilo não tem um perfil específico, não tem rosto, modo de andar e se vestir. Cada pedófilo age de uma forma. Se não é próximo da criança, ele se aproxima dela e da família. Você pode estar ao lado de um, conviver com ele e nem perceber. Ele só age entre quatro paredes, porque tem domínio absoluto sobre a vítima. Eu oriento os pais para não colocarem fotos e vídeos de seus filhos nas redes sociais. O pedófilo pode ser qualquer pessoa, independente de idade, religião, profissão, classe social ou graduação. Ele tem vida sexual normal, pode amar a vítima ou não nutrir nenhum tipo de sentimento por ela. Ele se sente atraído pelas características infantis e pelo fato de ter domínio absoluto sobre a vítima, não importando o sexo, vínculos afetivos ou familiares. É praticamente impossível identificá-lo, pois se trata da rede criminosa mais organizada do mundo. A pedofilia existe no mundo inteiro. Eles se reconhecem entre si por meio de símbolos em pingentes, anéis, tatuagens, entre outros. Os pedófilos usam qualquer artificio para conseguir o que querem. É um crime que se perpetua no silêncio. A pedofilia é um crime que não tem justificativa. No Brasil, a cada oito minutos uma criança é abusada”, detalhou.

De acordo com a sargento, não é somente o homem que pode ser pedófilo. “90% dos pedófilos são homens. As mulheres que abusam sexualmente de crianças e adolescentes correspondem a 10% dos agressores. Elas existem e estão dentro de casa, dentro das famílias. É um número significativo de mães que deveriam proteger, são mães abusadoras, mas o pior é a mãe conivente. Isso muito me entristece. 90% das esposas dos pedófilos são coniventes, quando as crianças contam, elas acham que estão inventando, principalmente se for o padrasto. Temos 67% de pedofilia praticado pelos padrastos e 20% os pais. Em muitos casos, a criança não fala que está sendo abusada, mas ela muda seu comportamento. Essa mudança de comportamento da criança deve ser observada e acompanhada. Pode ser um indício de que ela está sofrendo abuso. Caso as mães tivessem mais atenção com os seus filhos menores 90% dos crimes de abuso sexual envolvendo crianças poderiam ser evitados. A criança leva para sempre uma cicatriz na alma. As vítimas possivelmente serão usuários de drogas, homicidas ou até mesmo um pedófilo. De 25% a 30% das vítimas de hoje serão os pedófilos de amanhã”, expôs.


Tania enfatizou que devem ser feitas leis para a proteção das crianças. Além de alertar para o problema da pedofilia, Guerreiro tem como sua principal luta tipificá-lo como crime. Em todas as suas palestras, a sargento tem viabilizado a coleta de assinaturas através de um abaixo-assinado que visa garantir a inclusão da pedofilia no texto do Código Penal Brasileiro como crime hediondo prescrito pela Lei 8.072/90. “Sem lei não há proteção. Temos que punir com rigor o pedófilo. Só com leis para combater. Atualmente, a pedofilia não está tipificada em lei como crime. Estou há 19 anos juntando assinaturas para que a pedofilia seja tipificada como crime no Código Penal com pena de 30 anos em regime fechado, sem direito aos indultos. Para isso são necessárias 1.300.000 assinaturas no abaixo-assinado. Normalmente, os pedófilos cumprem pena que varia de oito a quinze anos. O pedófilo não tem antecedentes criminais, tem residência fixa e emprego. Tudo isso beneficia ele. Quando julgado e condenado, ele vai para a penitenciária e, por bom comportamento, ele é solto novamente. O pedófilo só para de agir enquanto ele está encarcerado. Quando solto, muitos voltam à ativa 48 horas após deixar o cárcere. Enquanto não houver punição adequada, o crime continuará ocorrendo e fazendo cada vez mais vítimas. Devemos unir as nossas forças para que possamos alterar a legislação sobre o tema. Vou deixar o abaixo-assinado para que os vereadores assinem e disseminem essa ideia. Também sugeri para o vereador Gilgera fazer um projeto de lei para que as crianças colombenses sejam protegidas e peço o apoio dos demais vereadores. A pedofilia não é um problema meu, mas um problema nosso”, explicou.

Ainda de acordo com a sargento Tânia, ela informou que ajudou a desenvolver cartilhas explicativas sobre a pedofilia para o Governo do Paraná com o objetivo de orientar os profissionais da polícia a lidar com as vítimas e os agressores. Esse material pode ser acessado através do site da Polícia Militar do Paraná através do link http://www.pmpr.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=547

Ao finalizar sua apresentação, a sargento Tânia Guerreiro agradeceu a oportunidade de divulgar o assunto e pediu apoio para atingir o número de assinaturas necessárias. Os vereadores aproveitaram a oportunidade para elogiarem as ações e o trabalho realizado pela sargento e a iniciativa do vereador Gilgera (PSDB), sanaram suas dúvidas, fizeram suas considerações e se comprometeram a ajudar. O presidente do Legislativo, vereador Vagner da Viação (PRB) agradeceu a presença, a apresentação e o trabalho desempenhado pela sargento. “Sabemos que é um assunto assustador e ao mesmo tempo delicado. Pensamos que essas coisas estão longe de nós, mas elas não estão. Estão bem próximos de todos nós. Seria interessante que conseguíssemos identificar um pedófilo, mas infelizmente isso não é possível. Quero deixar a Casa à disposição. Iremos olhar com muito carinho o andamento dos projetos de lei referentes ao assunto da violência e da pedofilia”, frisou.

Projeto de Lei do Legislativo – Foi colocado em segunda votação e aprovado por unanimidade de votos o Projeto de Lei do Legislativo nº 875/2019, de autoria da mesa diretiva, que abre crédito adicional especial no orçamento geral do município para o Poder Legislativo. Esse projeto segue agora para a sanção da prefeita Beti Pavin (PSDB).

Indicação – Ao todo foram apresentadas 19 indicações. Assinaram esses documentos o presidente da Casa – vereador Vagner da Viação (PRB) e os vereadores Baggio (PTC), Eurico Dino (PR), Elcio do Aviário (PSDB) e Issa (PTB). Todas essas indicações foram encaminhadas aos setores competentes. A íntegra da Ordem do Dia pode ser conferida em Pauta das Sessões.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pode ser de seu interesse

Bolsonaro agradece a Maia e deputados pela aprovação da Previdência na CCJ

24.04.19   20.50 h Em cadeia nacional de rádio