“O caso JBS é escandaloso”

“O caso JBS é escandaloso”

- in Notícia
167
0

16.04.18  10.00 h

Investigação revela mensagens de integrantes da cúpula do BNDES que lançam suspeitas sobre aportes milionários a grandes empresas

AGUIRRE TALENTO


Em maio de 2016, quando Michel Temer assumiu a Presidência da República e anunciou Maria Silvia Bastos Marques como chefe do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, os executivos do BNDES tremeram. O banco enfrentava uma crise profunda, em virtude do avanço da Lava Jato e da calamidade econômica provocada pela política intervencionista dos governos petistas. Os fatos que vinham a público cotidianamente expunham anos de uma gestão desastrosa, que beneficiara sobretudo empresários amigos do PT e, estava evidente, não contribuíra lhufas para o desenvolvimento econômico e social do país. Duvidava-se abertamente da lisura dos diretores do banco, fosse em comissões no Congresso, fosse na opinião pública. Investigações do Ministério Público, da Polícia Federal e do Tribunal de Contas da União examinavam a legalidade dos investimentos bilionários do BNDES. A chegada de Maria Silvia, uma economista tida como rigorosa, embutia, na perspectiva de alguns dos principais executivos do banco, uma mensagem velada: não haveria mais proteção a quem metera dinheiro grosso nas empresas parceiras do PT, como JBS e Odebrecht.


Um dos que mais temiam essa caçada era Sergio Földes Guimarães. Ele chefiara o Departamento de Mercado de Capitais do BNDES entre o final de 2004 e janeiro de 2009 e, posteriormente, foi superintendente da Área Internacional do banco, de janeiro de 2010 a junho de 2016. Ou seja, ocupou posições de comando durante mais de dez anos da gestão petista. O cargo era estratégico. Nele, Földes supervisionara os investimentos pesados na JBS e nos demais campeões nacionais — aquele grupo de empresas que faturou alto com a política dos governos Lula e Dilma de criar colossos globais por meio de dinheiro público. Em um intervalo de dez anos, de 2005 a 2014, por exemplo, o BNDES despejara R$ 10 bilhões na empresa dos irmãos Batista, usando critérios questionáveis. Às 14h48 de 27 de maio, poucos dias depois do anúncio de Maria Silvia como presidente do banco, Földes enviou uma mensagem de WhatsApp a um colega de carreira do BNDES, Otávio Vianna. Este também chegara a comandar a área de Mercado de Capitais entre outubro de 2011 e março de 2015, durante o governo Dilma Rousseff. Ambos permaneciam no BNDES.

“E aí? Algum boato novo?”, perguntou Földes. Ele buscava notícias sobre as trocas que Maria Silvia faria nos cargos de comando. Em resposta, Vianna enumerou erros da gestão petista e disse que os diretores seriam trocados justamente por isso. “Estão todos contaminados pelo passado”, respondeu ao colega, às 16 horas. Em sucessivas mensagens de texto, Vianna revelou detalhes pouco conhecidos das entranhas do BNDES: “Não sei qual será a posição dela frente às investigações do TCU. Será que vai proteger a galera? O caso da JBS é escandaloso. Precificar opção por fluxo de caixa é indefensável”. Vianna referia-se ao modo pelo qual o BNDES decidira colocar dinheiro na empresa de Joesley Batista. Envolvia um aporte de R$ 1 bilhão do BNDES à JBS, em 2008, por meio de cálculos considerados duvidosos pelos técnicos do TCU, que apontaram superfaturamento no preço pago por ação.

Inéditas, as trocas de mensagem por WhatsApp foram extraídas pela Polícia Federal do celular de Földes, apreendido em 12 de maio do ano passado. As informações contidas no aparelho, obtidas com exclusividade por ÉPOCA, foram classificadas pela PF como “relevantes para a devida apuração dos fatos investigados”. Pela primeira vez, funcionários de alto escalão do banco aparecem falando em graves erros na condução dos negócios da instituição. Nas conversas, não há confissão de crimes ou irregularidades. Mas as trocas francas de mensagens confirmam que não só os executivos questionavam internamente as opções do banco, como apontavam suspeitas de favorecimento a determinadas empresas nos aportes bilionários. Como os executivos participaram, direta ou indiretamente, das operações suspeitas, eles sabem do que estão falando. As suspeitas são investigadas na Operação Bullish, conduzida pelo procurador Ivan Cláudio Marx, da Procuradoria da República no Distrito Federal, e pela delegada da PF Danielle Mady.

Na interpretação da PF, as conversas revelam indícios de problemas não apenas nos aportes à JBS, mas em investimentos na Odebrecht e na Bertin. O material será usado para reforçar os indícios de irregularidades no caso JBS, cujo inquérito deve ser concluído em poucos meses. O procurador Ivan Marx já afirmou publicamente que a empresa, apesar de ter feito acordos de delação e de leniência, omitiu crimes praticados no BNDES, por isso ele não aderiu ao acordo da empresa. O material apreendido também abrirá novas frentes de investigação envolvendo o banco. As provas sigilosas incluem ainda trocas de e-mails entre o ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho e o empresário Marcelo Odebrecht, nos quais Coutinho promete resolver uma demanda da empreiteira. Revela-se, também, a apreensão de US$ 168 mil, em dinheiro vivo, na residência de um ex-diretor do banco.

A primeira conversa entre Földes e Vianna, ambos investigados na Bullish, resume o receio com as apurações que avançavam sobre o banco. Földes disse acreditar que a nova presidente acabaria protegendo os funcionários. “A menos que msgs (mensagens) ou delações comprometam o banco”, escreveu ao colega, às 16h02 do mesmo 27 de maio de 2016. Vianna afirmou: “Ela precisa preservar a todo custo a imagem da instituição”. Via a possibilidade de a delação premiada de Marcelo Odebrecht, naquele momento ainda em negociação, atingir a instituição. “Será que vem bomba contra os diretores com MO? ODB Agro foi entre os turnos da eleição e foi a maior operação em anos”, afirmou, às 16h04 do mesmo dia, em referência a um aporte de R$ 2 bilhões do banco à Odebrecht Agroindustrial, no fim de 2014. Földes respondeu: “Tenho medo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pode ser de seu interesse

Comandante do Exército se manifesta

25.05.18  19.10 h O comandante do Exército, general